capital de giro

Caixa e capital de giro

Caixa e capital de giro: como podem tirar sua empresa de um sufoco? Você sabe o que é capital de giro? Acha que esse é um conceito que só serve para empresas que estão começando? Muitos empresários não conhecem esse termo tão importante, por isso, não aplicam esse recurso na rotina de suas empresas.

Agora, mais algumas perguntas para você: como está o caixa do seu negócio? Ele tem sempre dinheiro disponível para pagar os seus fornecedores? Depois de saber como fazer conciliação de cartões para prever seu fluxo de caixa, é hora de entender como o capital de giro pode salvar a sua empresa e garantir que o seu caixa feche novamente no positivo.

Continue lendo para aprender mais.

Capital de giro: seu aliado desde o começo

O capital de giro é, simplesmente, o investimento necessário para financiar e garantir a continuidade das operações de uma empresa: gastos com fornecedores e estoque, despesas com funcionários e operacionais, e tudo o que for necessário para o bom funcionamento do negócio. Muitas vezes, é associado apenas à abertura da empresa.

Na hora de fazer um plano de negócios deve ser sempre lembrado. É uma questão que surge quando a empresa inicia suas atividades, mas que nem sempre é devidamente valorizada e muitas vezes se começa a operar próximo ao limite. 

Capital de giro não é só o investimento que você deve colocar na empresa para funcionar nos primeiros meses. É o valor que o negócio deve ter sempre disponível para garantir seu perfeito funcionamento. Por exemplo:

  • seus produtos devem estar sempre em estoque;
  • seus fornecedores devem receber quando combinado;
  • seus funcionários devem receber, normalmente, até o quinto dia útil do mês. 

Pense, agora, no seguinte: imagine que durante esse mês, o movimento da sua empresa está ótimo, com clientes comprando todos os dias, porém, pagando apenas no cartão de crédito. Chega o dia 5, e seu estoque está quase no fim, seus funcionários e fornecedores precisam receber.

É justamente aí que entra o capital de giro. Ele garante os recursos necessários para que você tenha sempre liquidez disponível em caixa, para financiar as operações básicas do seu negócio. O capital de giro ajuda a:

  • financiar clientes (em vendas a prazo);
  • garantir liquidez para compra e mantimento de estoque;
  • assegurar recursos para o pagamento de fornecedores;
  • garantir recursos para pagamentos de taxas e impostos;
  • certificar a liquidez do pagamento dos funcionários (salários e comissões).

Portanto, se a sua empresa compra e vende a prazo, mantém estoque ou deve pagar qualquer tipo de despesa, é essencial manter um capital de giro para assegurar sua saúde financeira. 

Capital de giro: segurança na saúde financeira

De acordo com dados do Sebrae (SP), quase 30% das novas empresas encerram seu funcionamento logo no primeiro ano e, mais do que isso, a metade (50%) delas não passam do quarto mês de exercício. Esses mesmos dados mostram que a maioria desses negócios fecha devido à falta de saúde financeira.

Após a análise dos dados dessa pesquisa, podemos entender melhor que o capital de giro é não só importante, mas essencial para a manutenção de uma empresa, desde o seu planejamento até sua implementação, começo de suas atividades e durante toda a rotina do negócio.

Como é calculado o capital de giro

Existem diversas maneiras de calcular o capital de giro, e empreendedores fazem isso de formas distintas, de acordo com a sua realidade e as empresas das quais são responsáveis pela gestão. O chamado capital de giro líquido (CGL), é influenciado por uma série de recursos, que incidem com maior ou menor grau de importância.

No entanto, existe uma fórmula bem simples, que pode ser definida como CGL = AC – PC. Nessa equação, o “AC” é o chamado ativo circulante, que é o caixa, contas a receber e até aplicações financeiras, por exemplo. O “PC” é o passivo, como contas a pagar, empréstimos e assim por diante. O resultado, portanto, é o capital de giro.

Diferença entre caixa e capital de giro

No meio do empreendedorismo, muita gente confunde o valor existente em caixa com o capital de giro. Apesar de estarem intimamente relacionados, não se tratam de sinônimos, embora sejam bastante complementares. O capital de giro, como falamos, de forma simplificada, diz respeito à diferença de entradas e saídas.

Já o seu fluxo de caixa está mais relacionado com a forma como o dinheiro interage e é administrado pela empresa, representando não apenas o resultado, mas sim, os movimentos de entradas e saídas de capital. Se, durante um período, você recebeu mais do que gastou, seu fluxo de caixa é positivo. Caso contrário, ficará negativo.

Benefícios de contar com o capital de giro

Agora que você já está mais familiarizado com o conceito de capital de giro e vem compreendendo melhor sua importância para a saúde financeira da sua empresa, vamos explicar um pouco melhor quais benefícios você pode experimentar ao contar com tal recurso disponível. Acompanhe.

Manter atividades operacionais em dia

Um dos principais benefícios de contar com o capital de giro é que ele permite manter as atividades operacionais em dia. Todo mundo sabe que o cenário ideal é sempre receber quantias suficientes para arcar com todas as contas recorrentes e extraordinárias, como aluguel, luz, internet, salários e assim por diante.

Entretanto, não é novidade que eventualidades acontecem e, muitas vezes, os recursos podem faltar. Nesse momento, o capital de giro é extremamente importante, evitando a inadimplência e, até mesmo, permitindo certo crescimento, com investimentos que sejam essenciais para reverter esse cenário.

Fazer investimentos cruciais para o negócio

Como dissemos, o capital de giro pode permitir o crescimento de uma empresa, e esse é mais um dos inúmeros benefícios de contar com esse recurso. Mais do que meramente continuar as operações comuns do negócio, a chave para a sobrevivência em um mercado tão competitivo quanto o atual pode estar no desenvolvimento constante.

Quem atua no varejo, por exemplo, pode utilizar o dinheiro para a aquisição de produtos para o estoque em períodos em que vendem mais, como feriados e datas comemorativas. Logicamente, isso demanda um bom planejamento de marketing, cujas ações também podem ser custeadas pelo capital de giro.

Estimular uma administração mais consciente

O capital de giro também acaba estimulando uma administração financeira mais consciente, fazendo com que o empreendedor saiba o momento certo de gastar e investir. Por se tratar de um recurso muito importante, se ele estiver em falta, haverá um claro sinal de que é preciso ajustar as finanças e tomar um pouco mais de cuidado.

Nesse momento, muitas vezes, é preciso reinventar e até rever operações, para não colocar a empresa em uma posição arriscada. A relação com o dinheiro muda e há um estímulo para uma economia mais consciente, controlando despesas e aproveitando melhor os ganhos, em um uso mais adequado para o capital já conquistado.

Dicas para manter um bom equilíbrio

Para aumentar seus conhecimentos, vamos dar algumas dicas úteis para que você conquiste um maior equilíbrio econômico. Confira. 

Conheça todas as suas despesas

Não dá nem para pensar em ter mais equilíbrio e investir na saúde financeira do negócio sem conhecer todas as despesas da empresa, não é mesmo? Por isso, você não pode abrir mão de fazer um levantamento de todos os gastos do seu empreendimento, mesmo os mais discretos. Obviamente, isso dará um pouco de trabalho e exigirá bastante organização.

Considere custos fixos e variáveis, como salários dos funcionários, comissões, água, energia, telefone, internet, impostos, fornecedores e assim por diante. Isso acabará sendo uma prática que ajudará a conquistar um maior controle sobre as saídas do caixa e até a descobrir eventuais perdas que você não percebia.

Analise suas fontes de receita

Da mesma maneira que você não pode abrir mão de conhecer muito bem as suas despesas, também é preciso analisar suas fontes de receita. Afinal, esses são os pontos cruciais na gestão do fluxo de caixa e para conhecer seu capital de giro, dando uma noção melhor de quanto você precisa receber para não ficar com o saldo negativo.

Para isso, você deve conhecer os prazos de recebimento, até para não comprometer as operações do seu modelo de negócio. Tudo precisa estar devidamente alinhado, evitando o pagamento de multas e juros por inadimplência. Também acaba sendo uma forma de programar ações de marketing e de aumentar as vendas quando necessário.

Realize projeções para o futuro

Por fim, depois de conferir todo o conteúdo até aqui, você pode usar seus conhecimentos para fazer projeções para o futuro, usando o seu capital de giro ou mesmo traçando estratégias para aumentá-lo. Obviamente, isso passa por alguns pontos, como um bom planejamento, um rígido controle de despesas e ações para o aumento das entradas de dinheiro.

Você pode tomar como base as análises de resultados anteriores e a atual situação do negócio, fazendo estimativas de quanto deve receber e gastar em curto, médio e longo prazos. Com isso, você consegue identificar desvios e antecipar imprevistos, efetuando as correções necessárias e definindo medidas para não passar por dificuldades. 

Não ter uma reserva para capital de giro na sua empresa pode acarretar diversos tipos de problemas, como a falta de pagamentos e entraves nas quitações com seus fornecedores ou funcionários. Além disso, pode causar falta de recursos para a compra de produtos essenciais e dificuldades nos pagamentos de despesas operacionais, como conta de água e luz, e muito mais.

Em suma, são fatores que podem levar a sua empresa a precisar de um empréstimo ou, até mesmo, decretar falência. Para evitar esse tipo de problema, a solução é mais simples do que parece: planeje e coloque em prática o capital de giro da sua empresa. Além disso, procure a Granito e descubra a melhor solução para o seu negócio.

Com a Granito, você pode escolher as melhores datas de pagamentos e até solicitar adiantamento de valores, sendo uma forma prática e segura de você controlar e monitorar seus recebimentos, e evitar surpresas desagradáveis. Por isso, não perca mais tempo: conheça nossos serviços e se surpreenda com nossas soluções!

As 5 pequenas despesas que mais comprometem seu caixa.

Imagine a seguinte situação: sua loja vendeu acima do esperado, você recebeu em dia, conseguiu negociar bons preços com os fornecedores, as expectativas para o fechamento do mês são as melhores. Mas, na hora de fechar o caixa, para surpresa geral, há menos dinheiro do que o previsto. O que pode ter acontecido? Quem sumiu com esse dinheiro?

Prepare-se para uma resposta dura: você!

A culpa é dos pequenos gastos que, originalmente, não calculamos, mas que surgem no fim do mês. Na maioria dos casos, são cifras pequenas, que não fazem grande impacto no fechamento mas, no final do ano, quando somadas, assustam.

Despesas como ligações telefônicas, de cunho profissional, mas feitas pelo seu celular pessoal. E não importa se foram poucos segundos, afinal, foram 8, 10 ligações de poucos segundos por dia. No final do mês, essa torna-se uma despesa considerável.

Pegue o custo com material de escritório, por exemplo: a caixa de clipes que acabou, o cartucho da impressora que zerou, o bloco de notas que você começou a usar para tentar controlar esses mesmos gastos.

Mas o maior dos custos não calculados vem deles, os imprevistos. Sabemos que todo negócio tem seus imprevistos mas, por mais difícil que seja antecipá-los, é relativamente fácil controlá-los. O motoboy que você pediu em cima da hora para entregar o pedido urgente daquele cliente preferencial, as cápsulas de café que acabaram sem você perceber, um vidro da vitrine que quebrou naquele dia. Tudo deve ser planilhado e considerado.

Por isso, atenção às pequenas despesas do dia a dia podem significar uma grande economia para o seu negócio. Por mais barato que seja, tudo deve ser calculado, para que você não tenha a desagradável surpresa de contabilizar menos dinheiro do que o esperado no fim do mês.

Granito. A gente entrega mais porque entende o seu negócio.

5 dicas Granito para ajudar a manter seu caixa no azul.

O sucesso de um negócio passa por vários fatores: conhecimento do mercado, estrutura profissionalizada, equipe competente e motivada, clientes fieis e satisfeitos. Mas, sem uma boa gestão financeira, tudo isso pode não ser suficiente.

Reforçando sua posição de parceira estratégia de negócios, a Granito apresenta 5 dicas para manter a saúde financeira do seu negócio, minimizando riscos desnecessários.

Dica 1: Entenda sua realidade financeira

Isso significa conhecer, em detalhes, seu fluxo de caixa. Faça um levantamento completo de suas contas, saldos bancários, empréstimos, débitos pendentes. Depois, cruze com sua previsão de recebimentos para saber quais ações deverão ser tomadas dali em diante.

Dica 2: Conheça seus custos fixos

Tenha na ponta dos dedos todos os seus gastos regulares. Folha de pagamento, aluguel, contas de luz, água, gás, internet. Se seus custos fixos forem maiores do que seus recebíveis, prepare-se para negociar com fornecedores e parceiros.

Dica 3: Avalie constantemente seus preços

Você tem cobrado o preço adequado por seus produtos/serviços? Além de avaliar seus custos de produção, é importante saber quanto a concorrência está cobrando por entregas similares.

Dica 4: Planeje seu fluxo de caixa por 12 meses

Projete suas contas um ano adiante. Essa é a única forma de não ser pego de calças curtas numa emergência, como a que estamos vivendo atualmente. Prepara-se para aguentar, pelo menos, 6 meses sem faturamento, economizando de 20% a 25% do seu faturamento todo mês.

Dica 5: Mantenha-se atualizado

Estude, pesquise, converse com outros profissionais do seu mercado. Manter-se atualizado é a melhor forma de pensar em diferentes soluções para os possíveis problemas que surjam. Quanto maior seu repertório, melhores as suas ideias.

Além dessas dicas, certifique-se de estar sempre cercado de bons parceiros para auxilia-lo no seu dia-a-dia. Por isso, conte com as soluções de gestão financeira da Granito. Granito. A gente entrega mais porque entende o seu negócio.

Abri meu negócio, e agora?

Abri uma empresa. E agora?

O Brasil está retomando a confiança dos investidores e as expectativas do mercado voltaram a crescer, isso pode ser uma oportunidade para a sua empresa começar bem. Agora que a sua empresa está aberta, você provavelmente já passou pelo processo da Junta Comercial, já tem um CNPJ, registro e inscrição, assim como os alvarás necessários para funcionamento.

Qual o próximo passo para a minha empresa?

Agora é hora de colocar em prática todo o planejamento que foi feito. Qual o nicho em que a empresa vai atuar? Quem são os clientes? Quais os objetivos da empresa? Quem são os  concorrentes? Todas essas perguntas devem ter respostas claras para o empreendedor. É em cima delas que as estratégias devem ser traçadas. É importante gostar e entender do seu negócio. Se você faz o que gosta, tem mais disposição, e consequentemente, melhores chances de ter sucesso. Esse é o primeiro passo. O segundo passo é estudar alguns conceitos básicos que você terá que lidar com muita frequência, como por exemplo, marketing e finanças. Se for o caso, é interessante terceirizar esses segmentos para quem é qualificado e tem mais experiência.   Conquistar o cliente é um dos passos essenciais, afinal, sem eles a empresa não consegue prosperar. Entenda os hábitos dos seus consumidores, converse com eles, faça pesquisas para poder atingi-los da maneira mais assertiva. Você precisa saber qual linguagem usar e em quais canais trabalhar.   Faça contatos com empresas e pessoas importantes. As parcerias podem te ajudar durante todo o caminho, inclusive nos momentos difíceis.

Finanças com controle e automatização

Abri minha empresa, e agora?   O controle do financeiro é visto muitas vezes como um “bicho de sete cabeças”, mas não tem que ser assim. É umas das partes de maior relevância dentro de qualquer empresa, até porque o objetivo do seu negócio é, também, ter lucro.   O registro é essencial. Ponha no papel tudo que entra e sai da sua empresa. Quando falamos tudo, é tudo! Se entrou ou saiu dinheiro, mercadoria, funcionários ou máquinas, se teve desperdício, se conseguiram reduzir gastos ou se já tem previsto uma entrada de dinheiro futura, tudo isso deve ser controlado. Essa é a chave do controle financeiro. Com o registro, sua empresa consegue mensurar dados como faturamento, custo fixo, custo total, margem de lucro e endividamento. Estamos em 2019, e para que a sua empresa cresça cada dia mais, a utilização da tecnologia disponível é indispensável. Sistemas de gestão, até mesmo os gratuitos, podem ajudar muitos negócios a ter uma logística funcional e simplificada, e, ao mesmo tempo, ter maior controle do que acontece no seu negócio.   Esses softwares são capazes de integrar diferentes áreas dentro da empresa, e já registram os movimentos de caixa. E tem como ficar ainda mais fácil.   A Granito trabalha com uma tecnologia com conexão nativa da maquininha de cartão ao sistema, dessa forma, o controle dos pagamentos é automatizado, evitando erros e diminuindo o trabalho humano.   Conheça mais sobre nossas soluções e segmentos, e deixe a Granito ajudar a sua empresa a ter o melhor funcionamento, desde as fases iniciais 🙂]]>